Quem começou a trabalhar tem que devolver o auxílio emergencial?

Quem começou a trabalhar tem que devolver o auxílio emergencial?

Trabalhador autônomo 2022

É praticamente impossível sustentar uma família com uma renda de 430 euros por mês, portanto, se a pessoa que recebe a SED recebe uma oferta de emprego, mesmo que seja em meio período, é provável que ela a aceite.      Neste caso, o que acontece com o benefício?

Quando a SED está sendo paga e surge a possibilidade de trabalhar como empregado, mesmo que seja em tempo parcial, o trabalhador pode continuar recebendo o benefício enquanto trabalha, mas reduzido pela parte proporcional ao tempo trabalhado.

Sim, ele pode fazer isso.    Ele receberá a SED a 50% (porque seu contrato é em tempo parcial), ou seja, receberá 215 euros mensais em subsídio e ao mesmo tempo poderá receber os 565 euros pelo trabalho no supermercado.

Como vimos, se certas condições forem cumpridas, é possível continuar recebendo a SED e trabalhar em tempo parcial. O que não é possível, por exemplo, é começar a receber a SED se você tiver um emprego de antemão, mesmo que seja em meio período. O contrato de trabalho deve ser firmado uma vez que você começou a receber o benefício.

Ajuda aos autônomos

O programa Quédate en Casa e o Fundo de Assistência Solidária aos Empregados (FASE) têm um objetivo muito claro: garantir emprego, renda e alimentação para as famílias dominicanas durante o período de emergência do coronavírus.

“Os trabalhadores cujas empresas estão contribuindo para a Tesouraria da Previdência Social (TSS) e que encerraram suas operações devido às medidas de distanciamento social ordenadas durante este período poderão receber apoio da FASE”, disse ele.

Os funcionários com salários superiores a RD$ 5.000 receberão uma contribuição mensal que será coberta em 70% pelo governo e 30% pelo empregador. “Neste caso, o Estado contribuirá até um montante máximo de RD$8.500 por mês por trabalhador”, disse ele.

  Qual a taxa mensal do MEI?

O Ministro Guerrero Ortiz garantiu que as contribuições do Governo serão pagas aos trabalhadores nos dias 7 e 21 de abril e maio diretamente em suas contas de folha de pagamento informadas por seus empregadores, sem pagamentos retroativos.

Aqueles identificados pela Comissão de Assuntos Sociais com base em informações validadas pelo Gabinete Social, só devem ir com sua carteira de identidade aos estabelecimentos da rede de lojas afiliadas ao programa Comer es Primero, disse o Ministro Guerrero Ortiz durante um discurso televisionado do salão Orlando Martínez do Palácio Nacional.

Ajuda aos trabalhadores autônomos devido à cessação da atividade

Aqueles que participam de redes de militância e transformação podem tomar as rédeas, sentir-se responsáveis pelo que os rodeia, receber o apoio de seus camaradas e construir orgulhosas identidades coletivas.

No meu caso, eu tinha um contrato de obras e serviços e eles o rescindiram porque dependemos do cliente final para terminar algumas obras, atrasados por causa do coronavírus. Todos os trabalhadores permanentes da empresa designados para este e outros projetos estão em um processo de demissão. No caso daqueles de nós que estão sob contrato de trabalho, temos o direito de nos beneficiarmos deste erte? Muito obrigado.

Olá, sou professor interino na Catalunha, estou substituindo outro professor que está de licença médica desde janeiro, pois isto parece estar acontecendo há muito tempo. Como não podem me indicar outro cargo, ficarei sem emprego e não poderei trabalhar até o próximo ano letivo, e se não puder me candidatar ao desemprego, que opções tenho?

Bom dia, minha pergunta é…meus primeiros seis meses de contrato terminarão em 8 de abril. Trabalho em um supermercado. Com a nova lei eu entendo que eles são obrigados a renovar, mas meu chefe me disse que eles me pagariam, o que acontece se eles não cumprirem a lei e não renovarem meu contrato?

  Estou recebendo o auxílio emergencial e comecei a trabalhar?

Quando o governo paga

-Bom noite. Espero que você possa me ajudar e me aconselhar sobre como reclamar meu benefício. Trabalho 4 horas em uma empresa que não é afetada pelo erte e outras 4 horas em outra empresa onde tenho um erte. Quando chegar a hora de recolher meu benefício, o que ainda não aconteceu desde março, mas eu vejo o acordo. Recebo 70% da base regulatória e eles a dividem por dois novamente, por contribuir em outra empresa. Não vejo isso como justo ou razoável porque a folha de pagamento da empresa que está em erte já é uma folha de pagamento em tempo parcial e não vejo como lógico que as pessoas possam perder benefícios em relação àqueles que trabalham em tempo integral na mesma empresa. Eles não devem levar em conta as bases das duas empresas. Muito obrigado.

Bom dia, antes de mais nada obrigado por seu interesse e suas respostas. Minha situação e minha pergunta é a seguinte: minha empresa está em um programa de redundância desde 17 de março, que foi aprovado de acordo com o que minha empresa confirmou, mas o SEPE não processou meu benefício. Perguntei à minha empresa em várias ocasiões e eles confirmaram que os dados e procedimentos enviados ao SEPE estão corretos, liguei para o SEPE e eles me disseram que meu benefício não foi incluído em seu programa até o momento. Então, claro, estou no meio entre minha empresa e o SEPE. Vocês recomendam que eu reclame ao SEPE ou que continue esperando? Ou que procedimento posso seguir? Mais uma vez, obrigado.